Fraquezas

Como lidar com as fraquezas?

Momentos de crise evidenciam nossas fraquezas. Os nossos recursos precisam estar em equilíbrio com nossas exigências e, nos momentos de crise, a falta de recursos diante de uma situação completamente nova nos leva a encarar uma incapacidade de atender as exigências que nos são dadas. Nesse momento é comum sentir-se fraco.

Todo ser humano possui pontos fracos e fortes. Partindo do pressuposto de que o comportamento que perdura é aquele que funciona, podemos entender que isso tanto se aplica às virtudes quanto aos vícios. Nossos problemas caminham lado a lado com nossas habilidades e quebrar os ciclos não é fácil, mas com intenção e estratégia é possível.

Fraquezas podem ser vistas como desvirtudes ou como pontos de partida para mudanças, aperfeiçoamentos e aprendizados. Reconhecer nossos pontos fracos pode ser o principal ponto de partida para sermos cada vez mais fortes. É preciso ressignificar – uma palavra que virou moda, mas que poucos parecem conhecer o significado. Ressignificar significa atribuir significado útil para um evento. Frequentemente ouvimos histórias de pessoas que saíram de uma situação ruim mais fortes, as chamadas histórias de superação. Porque então, ao viver esses eventos nos sentimos tão fracos?

Não temos controle sobre os eventos, o que podemos controlar é a maneira de lidar com eles. Força e fraqueza são dois lados da mesma moeda e não ignorando os pontos fracos que você se tornará mais forte. Ressignificar começa quando reconhecemos que nossas fraquezas são úteis para o nosso crescimento. O que acontece muitas vezes é uma tentativa frustrada de esconder as próprias fraquezas numa tentativa de ser mais forte. Clarice Lispector diz que “nem sempre é necessário tornar-se forte. Temos que respirar nossas fraquezas.” Com “respirar nossas fraquezas” a pensadora nos chama atenção para a necessidade de entrar em contato com as nossas fraquezas e reconhecer sua existência.

Em “A Arte da Guerra”, Sun Tzu deixa um aprendizado muito utilizado no mundo dos negócios: Concentre-se nas suas forças, reconheça suas fraquezas, agarre-se nas oportunidades e proteja-se das ameaças.

A partir dessa experiência de encarar nossas fraquezas é possível analisá-las e extrair o melhor delas, entender quais pontos precisam ser fortalecidos e como fazer isso. Se é a falta de uma habilidade, pode procurar desenvolve-la. Se é um hábito prejudicial, pode criar hábitos saudáveis que o substituam.

Vamos fazer um exercício. Faça-se a seguinte pergunta: Onde estão as forças da sua fraqueza?

Passo a passo:

  1. Quais são as suas fraquezas? — não se apresse a responder essa pergunta. Busque no seu dia-a-dia situações em que você se sente fraco, até mesmo vulnerável e entenda o que te faz sentir assim.
  2. Quais recados ela te traz? — é o momento de examiná-las, procurar por convites, imposições, lacunas a preencher, pontos a melhorar, comportamentos que precisa mudar, lições a aprender;
  3. Forças da fraqueza — uma vez compreendida a fundo, é hora de buscar aprendizados, caminhos, correções, ajustes, e oportunidades que possam se mostrar a partir dela.
  4. Elo com o futuro — O que você vai fazer com isso? É hora de traçar um plano para lidar com as suas fraquezas.

 

Esse exercício ajudará você a encarar suas fraquezas e entender que elas nada mais são do que a falta de recursos diante de determinadas exigências, entendendo quais são esses recursos, você será capaz de persegui-los e se fortalecer nesse aspecto. Lembre-se que forte não é aquela pessoa sem fraquezas, falhas e erros. Forte é quem aprende a ser capaz de reconhecer seus pontos inacabados e escolhe aperfeiçoá-los. A real fraqueza está na cegueira em relação a estes pontos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.