Linha do Tempo

A Terapia da linha do tempo é um ótimo instrumento da programação neurolinguística, PNL, para reprogramar eventos traumáticos e criar experiências de futuro. É uma investigação temporal da vida como um todo, entre passado, presente nos permitindo usar nossas experiências ao nosso favor e aprofundar o uso dos nossos recursos mentais. 

Passado, presente e futuro são formas de processar uma experiência. Nós constantemente nos relacionamos com o passado e o futuro, através dos nossos traumas, anseios e angústias. Para a mente inconsciente só o que existe é a experiência e ela pode ser criada, sonhada ou vivenciada. Você já deve ter tido um sonho intenso que produziu sentimentos reais e gerou memórias duradouras. O inconsciente não separa sonho e imaginação da realidade. A maneira como lidamos com esta experiência e o significado que atribuímos a ela é o que fica.

Saber disso nos dá a capacidade de utilizar essa informação ao nosso favor, gerando experiencias com um objetivo claro.

A terapia considera a maneira como o inconsciente funciona: suas diretivas, a forma como armazena e organiza suas memórias, como reage às emoções e orienta as ações e decisões de cada indivíduo.
Imaginemos a seguinte situação: Uma criança de apenas dois anos, que deseja muito tocar um objeto, o qual não está ao seu alcance. E como ninguém lhe atende, a criança reage através do choro. Nesse momento, um novo sentimento é criado em seu inconsciente: a raiva. A partir desse momento toda vez que ela sinta essas mesmas sensações elas serão armazenadas num mesmo local, sendo acumuladas com o decorrer da vida. Dessa forma, quando no presente surgir uma nova situação que lhe deixe contrariado, é provável que o sentimento de raiva emerja ainda mais forte, pois a raiva de hoje está atrelada a todas as outras que vieram antes, e se apresenta de um tamanho desproporcional ao acontecimento.

No entanto, se a pessoa do presente puder olhar a situação do passado enquanto era apenas uma criança, e entender os motivos pelo qual o objeto não lhe foi ofertado, a sua versão de hoje, já adulta encararia o evento com os outros olhos, e fecharia o ciclo desse acumulo de raiva, pois passaria por um processo de cura.

Tudo em PNL passa por uma boa formulação de objetivo – BFO. Objetivos bem formulados tem uma regra básica: Se concentrar naquilo que está sob o seu controle, descartar aquilo que não está. Não deixe aquilo que você não pode fazer atrapalhar o que você pode. No momento em que estamos vivendo, de pandemia e isolamento social, somos bombardeados o tempo inteiro com toda a sorte de informações. A consequência disso é a constante antecipação do futuro, ou seja, a experiência dos medos e angústias que essa antecipação nos causa.

 Através da programação neurolinguística buscamos fazer melhores escolhas. Para isso a PNL parte de 4 pressupostos: 

Representação – O mapa não é o território. O ser humano não lida diretamente com a realidade, mas sim com aquilo que ele percebe ser a realidade. Uma mesma realidade pode ter diferentes representações, diferentes entre si, onde uma não é melhor do que a outra, apenas mais ou menos útil em determinadas situações. O conceito de utilidade é mais importante do que o critério de correção.

Ecologia – Corpo e mente são partes do mesmo sistema. Somos um complexo processo sistêmico, com influencias mútuas do sistema. O desafio é encontrar o equilíbrio. Diante da formulação de objetivos é preciso analisar variáveis que possam estar em conflito numa tentativa de buscar harmonia.

As influências podem ser:

  • Internas: Quais partes de você conflitam com o seu objetivo?
  • Externas: O ambiente em que você está pode ir de encontro a sua capacidade de estar pleno, consciente e atento.
  • Compartilhadas: Os aspectos da ecologia compartilhada levam em consideração o outro. Os seus objetivos e os objetivos de outra pessoa podem ser conflitantes em algum momento.

Flexibilidade – Alternativas de ação. Se não der certo de um jeito, faça de outro. É necessário buscar um certo nível de flexibilidade para fazer melhores escolhas. Especialmente em tempos de crise como o que estamos vivendo, não existe uma única forma certa de fazer as coisas, ter flexibilidade é essencial. As partes mais flexíveis do sistema dominam o sistema.

Intenção positiva – Todo evento, acontecimento, ou comportamento em PNL traz uma intenção positiva, ou uma função. É preciso analisar os recados que cada situação nos traz. A permanência de um comportamento depende de seu resultado. Se o resultado é bom o comportamento perdura, se ruim, o comportamento se extingue. É o que justifica vícios, por exemplo. Se você recebe um resultado positivo de um certo comportamento, tende a repeti-lo, ainda que conscientemente saiba que aquilo é prejudicial em algum nível.

Uma vez que concluímos que a mente inconsciente só reconhece a experiência, sendo ela real ou criada, e que, o que podemos escolher é em que vamos nos concentrar (uma vez que tudo o que concentra, aumenta), proponho o exercício abaixo:

Escreva uma carta do futuro para você hoje.

  • Passo 1 – Escolha a data, com um intervalo de 1 ano da data atual.
  • Passo 2 – Faça um checkpoint: Escolha 7 pontos, em datas fáceis de lembrar, sendo que o primeiro é o ponto de saída e o sétimo é a linha de chegada. Você pode escolher datas de aniversário, sua ou de pessoas próximas, feriados ou qualquer outra data que tenha algum significado para você. O ponto de saída é hoje, e o ponto de chegada é daqui a um ano.
  • Passo 3 – Progresso: Avance ponto a ponto imaginando o que acontece em cada um deles. Colete informações em cada um deles e busque aprendizados. Exemplo.: Se você escolheu a data 25 de dezembro, imagine o que aconteceu nessa data, qual é a situação nesse momento, o que você pode aprender com isso. Depois avance para a próxima data com as informações que você recolheu.
  • Passo 4 – Regressão: Volte do futuro, ponto a ponto, procurando pontos em que é importante estar novamente e faça os ajustes necessários. Depois de chegar na data final, volte a cada data procurando ajustes que precisem ser feitos para que o resultado lá no final seja mais satisfatório.
  • Passo 5 – Segunda progressão: Avance novamente ponto a ponto para criar uma nova experiência e analisá-la.
  • Continue a repetir esse passo-a-passo quantas vezes seja necessário, para que tenha um caminho realizável.
  • Passo 6 – Faça uma última volta por todos os pontos, de modo a experimentar (ver, ouvir ou sentir).
  • Passo 7 – Escreva uma carta do futuro para você hoje, registrando sua experiência. Imagine você daqui a um ano, com toda essa experiência que você criou e o que você escreveria para sua versão de você hoje.

Criar essa linha do tempo permite que você faça previsões, através de uma experiência que não necessariamente será a que vai acontecer, mas que te tornará mais preparado para alcançar o resultado que você espera.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.