O Caminho da Mudança

Todos em algum momento querem mudança (substantivo feminino), mas poucos querem mudar (verbo). Mudar exige esforço, estratégia e consistência. Romper padrões e hábitos arraigados em nossa trajetória de vida é uma das mais difíceis tarefas humanas. Ao mesmo tempo que é complicado, mudar é uma necessidade evolutiva.

Antes de continuar, é importante que você entenda que o melhor caminho do aprendizado consiste em adaptar o que é útil, rejeitar o que é inútil e adicionar algo que é especificamente seu. Sendo assim, entenda que nem tudo pode ser aplicado à sua realidade, portanto esteja à vontade para descartar o que lhe é inútil e, para aquilo que funciona, adicione algo que é seu, encontre a sua própria forma de fazer as coisas.

Vamos começar observando a imagem abaixo:

Você há de concordar comigo que esse cavalo poderia fugir a hora que ele quisesse, não é? O que então o mantém preso?

 A resposta é simples. O animal está tão condicionado a ser preso por uma corda que não percebe que poderia sair dali se quisesse. É necessária uma intervenção.

Assim acontece também conosco. Quando condicionados a uma determinada situação, é difícil perceber que podemos sair dela se assim quisermos. Muitas vezes a ideia de mudar sequer passa pela cabeça e, quando passa, parece algo impossível. Questione a si mesmo: O que me mantém preso?

Ao se dar conta dessa prisão é natural que o indivíduo sinta a necessidade de sair deste lugar. Mudar passa a ser então uma necessidade para que se possa deixar para trás essas situações condicionantes e buscar a evolução.

Entendendo que você quer mudar, mas não sabe como o fazer, esse conteúdo tem a intenção de apresentar formas de intervenção úteis para o processo de mudança, a partir de conceitos da programação neurolinguística. Um dos pressupostos da PNL, o postulado da ecologia, representa a ideia de que corpo e mente são parte de um só sistema, portanto inseparáveis. Para o processo de mudança, então, a proposta de intervenção  exige uma força interna composta por três elementos: 

  • Fisiologia (corpo) — O físico altera a mente e a mente altera o físico, é possível romper padrões a partir de uma mudança de postura corporal, das expressões, do rosto, tom de voz, respiração, etc…
  • Linguagem (pensamento) — A linguagem pode romper padrões através do self talk, ou comunicação intrapessoal. É essa comunicação que constrói significados. Palavras ativam processos mentais. Você está sendo respeitoso consigo mesmo em seus pensamentos? Tem usado essa comunicação intrapessoal, para ativar os processos mentais corretos e atingir os seus objetivos?
  • Foco (atenção) — O foco é a concentração de energia, de atenção, a predisposição a agir. Tudo aquilo que concentra, aumenta. É comum uma mulher grávida começar a ver outras grávidas ao seu redor e pensar que todas resolveram engravidar de uma só vez, mas, na verdade, o número de gestantes não mudou, o que aconteceu foi que ela passou a dar mais atenção para isso. Utilizando-se disso para o processo de romper padrões, é possível escolher depositar sua atenção naquilo que é útil e traz solução. Se você costuma chegar atrasado no trabalho, ao invés de colocar sua atenção nesse problema, pode depositá-la no horário em que você sai para trabalhar, onde é passível de solução.

Corpo, pensamento e atenção formam uma tríade de acesso ao nosso potencial mental e físico apontando o caminho para dirigir nossa mente em função de nossos objetivos. Cada um desses elementos tem o poder de interferir nos outros. Uma pequena alteração em um deles é capaz de quebrar ciclos, levando o indivíduo a iniciar um processo de mudança.

Esses três elementos são a ponte de acesso que leva o indivíduo do estado atual (onde estou) para o estado desejado (onde quero estar). Aqui entra a chave para a mudança. Você sabe onde quer estar?

Tudo em PNL passa por uma boa formulação de objetivos (BFO), portanto, saber onde você quer chegar é essencial para traçar o melhor processo de mudança que te conduzirá a este objetivo. Só então é possível utilizar fisiologia, linguagem e foco para intervir nos hábitos pré-instalados e iniciar a jornada até o estado desejado.

Voltemos à pergunta que você se fez anteriormente. O que te mantém preso? Com essa pergunta chegamos ao ponto de partida. Você sabe exatamente qual situação não tem sido satisfatória para você no momento. A partir daí você pode refletir: Se não estivesse preso nessa situação. Como gostaria de estar?

Voltando sua atenção (foco) para o objetivo, aprendendo a se comunicar consigo mesmo com uma linguagem voltada para o seu estado desejado e mudando a sua postura para conquistar aquilo que você deseja.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.